Influência dos agentes políticos de Lagoa Santa para as próximas eleições (Parte I)

Influência dos agentes políticos de Lagoa Santa para as próximas eleições (Parte I)


Nesta eleição, de fundamental importância para as conquistas das cidades do interior, governador, deputados federais e estaduais eleitos têm sido a grande esperança de apoios pessoais para políticos municipais e de aporte de verbas para obras importantes, alavancadoras de campanhas políticas municipais para o futuro próximo. Em Lagoa Santa, que pressupunha-se, abençoada por ocupantes de cargos estaduais importantes, nos últimos anos, perdeu o vigor e tem decepcionado a sua população. Brigas políticas, por aqui sempre foram mais importantes do que o bem estar da população. Veja bem! Nos últimos 10 anos foram anunciadas com alarde e entusiasmo por aqui, inúmeras obras “faraônicas”, todas, com a chancela do governo estadual, pois abençoada por um de seus ilustres componentes, hoje governador do estado e integrante de uma casta política importante, habitante destas terras. Neste meio tempo, acreditando nestas promessas, sucumbiram mais de duzentas micro e pequenas empresas, desintegrando os sonhos de seus proprietários, assim como lhes causando enorme prejuízo financeiro. Os que permanecem a esperar, se encontram quase à míngua, esperando as grandes obras, que virão sim, mas a conta gotas. A política então, que deveria servir para ajustar estas questões mais prementes, têm servido apenas para dissensões, brigas e muita perda de tempo.  Numa terra em que um vice-prefeito se dá ao luxo de, em guerra com o prefeito, abandonar seu cargo, que lhe dá quase R$ 20.000,00 mensais, dinheiro do povo, que lhe conferiu um mandato, na esperança de obter dele a autoridade moral e eficácia do mandato para o período de quatro anos é de estarrecer e arrepiar os cabelos a leniência política. Pode-se dizer que o vice-prefeito foi obrigado a se afastar de seu cargo como Secretário, mas ele ainda é o vice-prefeito e deveria atuar mais em prol da cidade, ao invés de ficar passando mensagens oposicionistas pelo Facebook. Dizem que não mora mais aqui, casou-se e mudou-se para Belo Horizonte. A verdade é que nestas eleições emprestou seu prestígio pedindo votos para dois candidatos, que foram eleitos, um deles com 597 votos na cidade, o que não é muito, o outro conto na próxima parte desta crônica.