Com a alma lavada e enxaguada... (Parte I)

Com a alma lavada e enxaguada... (Parte I)


Caros leitores, após longo e tenebroso inverno, eis que ressurjo das cinzas, tal qual a Fênix mitológica que representa a longa vida e também o renascimento espiritual. Assim me sinto, rejuvenescido, mesmo convalescendo e me recuperando de uma longa noite de tempestade e trovoadas. Nestes últimos trinta dias fui do céu ao inferno. Nasci, morri e renasci e espero ter progredido tal é a Lei, como profetizou Allan Kardec, quando da codificação da Doutrina Espírita. Visitei o inferno, o limbo e o céu. Lá nas profundezas do inferno, andei tendo uma conversinha ao pé do ouvido do “Coisa Ruim” que me relatou que Lagoa Santa é sim um bom lugar para se viver, como bem disse o nosso querido Dr. Lund. Um bom lugar para se viver e muito especial, principalmente para abrigar gente do seu tórrido e incandescente staff infernal.

O Tinhoso me relatou ainda que tem espalhando ao longo dos séculos representantes por todos os cantos do mundo, mas que aqui em Lagoa Santa tem sido um lugar muito especial para ele. É claro que “Euzinho” sempre soube que o Belzebu mantinha representantes espalhados por todos os lugares, mas qual surpresa a minha ao saber que por aqui o número deles é bastante significativo, e deveras especial. Fiquei de queixo caído com tal revelação, mas duvidar do Satanás em pessoa, nem pensar. Como já disse, estes últimos trinta dias foram cruciais para a minha existência mundana e terrena. Primeiro foi o caso do CQC que comprou uma boa piada, vendida por comediantes (bufões) locais, pois programa de comédia e entretenimento. A cantilena dos opositores contumazes e venais locais acabou fazendo o dito programa cômico/burlesco embarcar na divulgação de meias verdades sobre o recebimento de salários ilegais (em duplicidade) pelo Prefeito, o que de fato, todos sabem, não foi bem assim (leia matéria edição anterior e nesta edição também pag. 7).

Fogo de palha em mais uma acusação sem fundamento, pelos ditos contendores em nome da moral e dos bons costumes. Esperem e vejam onde isso vai dar (ou seja, já está dando, leia matérias nesta edição também). Volto a dizer, foi só fogo de palha para iludir incautos e abestalhados que acreditam em contos da Carochinha e na falácia deste esperto povo, digamos assim, cheirando a enxofre. Após o surgimento daquela fatídica nota de esclarecimento, divulgada inadvertidamente por mim neste jornal, acreditando ser verdadeira (todo o restante da matéria era verdadeira), corrigi e me retratei como manda o bom jornalismo e a consciência de uma pessoa de bem. Este fato ensinou-me uma tremenda lição e um aprendizado único: Querer ajudar certas pessoas e acreditar nelas até prova em contrário nem sempre é o mais indicado. Certas pessoas ainda não foram apresentadas às palavrinhas: Consideração, respeito e deferência, mas vida que segue e bola pra frente que atrás vem gente. Nesta edição publicamos algumas ações, fruto dos desdobramentos de açodamento e imprudência de várias pessoas que fazem oposição oportunistas e que só geram malefícios à população de nossa cidade.

Na próxima edição iremos contar sobre os últimos acontecimentos por aqui. Estamos de volta, meio alquebrados pelas ignomínias difundidas a nosso respeito, mas fortalecidos em nossas convicções e, principalmente, com a alma lavada e enxaguada de felicidade pois o atentado crapulento e covardista impetrado por esta gente do mal coleadas com parte da imprensa local, que se auto intitula, correta e ilibada, não abalou nossas convicções em prol do bem comum.
Quem viver, verá!