Sonhei que estava sendo perseguido. Ufa!

Sonhei que estava sendo perseguido. Ufa!


Sei não. Já ouvi falar em cidade fantasma, cidade dos mortos vivos, cidade das sombras, etc. Ainda não ouvi falar em cidade dos dissimulados, você já ouviu? Sei que é um misto de cidade fantasma, com mortos vivos e sombras. Muitas sombras. Daquelas que dão calafrios e fazem tremer as pernas. Em uma cidade assim deve existir uma colina chamada Morro dos Ventos Uivantes. Morada de chacais e lobos em pele de cordeiro. Terá com certeza umas frondosas árvores típicas das Florestas Negras e dos Pântanos enfumaçados, abrigos de duendes e seres mitológicos de meter medo. Lá nesta cidade também, acredito que habitem Mulas sem cabeças, Sacis e Caiporas. Cruz credo! Fiquei sabendo que o próprio Papa Francisco recebeu um ofício para que fosse abençoar uma dessas, mas Sua Santidade respondeu – Vade retro Satanás, esconjuro. Lá não vou nem mortinho da silva. É estranho, cidades assim podem ter uma população imensa, mas por causa de meia dúzia de monstrengos, acabam levando a fama. Esta é uma crônica, que poderia ser considerada do absurdo também. São ilações e cheia de licenças poéticas e nada tem a ver com personagens da vida real ou se tiver, será mera coincidência – eu juro. Então caros leitores, então escutem essa - um dia sonhei que estava numa dessas cidades e estava sendo perseguido por figuras similares à Quasimodos e eu chorava em torrentes. De meus olhos pululavam lágrimas incontidas, que vertidas em profusão me encharcavam até a alma. Meu coração disparado atingia mais de 260 bpm e eu gritava loucamente: socorro meu coração quer sair pela boca. Às vezes chegava mesmo a sair, mas preso a artérias, voltava ao seu lugar de origem em pouco tempo. Na verdade não era um sonho e sim um baita pesadelo. Você já teve um desses? Alguém te persegue e você não consegue sair do lugar. Mas a perseguição implacável insistia em continuar. Corri tanto que me vi diante de um imenso abismo, assim mesmo, quase redundante, tanto quanto redundante é ser perseguido naquela terra de mortos vivos. O pior é que você fere de morte aquelas figuras, só que elas insistem em continuar vivas. Em meio ao impasse pensei - creio que haja uma estaca de prata ou um punhado de sal que sirva para exterminar estes dissimulados. Olhava para todo lado, mas não achava nada que pudesse me ajudar a sair daquele martírio. Por um momento pensei – por que estou sendo perseguido, será pela minha independência? Será pelas minhas opiniões? Ou será pelo meu atrevimento? Confesso que ainda não consegui entender, mas estou caminhando para obter a resposta. Acho que vou voltar a dormir e tentar chamar aquele sonho de novo. Quem sabe assim eu consiga descobrir. Fica uma sensação estranha, mas estar numa cidade entre um pouco de cada coisa insólita e descabida favorece este tipo de coisa. Perseguição: Vou olhar no livro dos sonhos para saber o significado, mas uma coisa eu já consegui entender, tem a ver com acossar, persecução, caça, importunação, prejudicar, etc. Vou voltar a sonhar e depois volto a falar com vocês, ok!