Esporas Prateadas (última parte)

Esporas Prateadas (última parte)


Após atravessar o deserto de Oklahoma em meu pequeno pônei e de fazer uma parada estratégica em Kansas City, penso em meu destino final – um lugarejo inóspito e perdido no fim do mundo, denominado Três Cruces. Lá está o Bando de Tião Gavião. Facínoras impiedosos,  escabrosos e escatológicos. Matadores de aluguel por meia pataca ou por um punhado de dólares. Gente da pior espécie – a escória do mundo infantil e juvenil. Vilões psicóticos e psicopatas, como a Maga Patológica ou será Patalógica? Neste momento, isso é o que menos importa, pois estou a caminho do meu destino, da minha sina e não posso olhar para trás. Começo a pensar em minha vida pregressa e me vejo, desassombrado e pueril. Nunca abandonei uma missão, a não ser aquela do duelo em Gothan City, pois tenho medo de morcegos, baratas e piolhos. Deixo para trás, em Kansas City outra gente que mete medo em qualquer um. Gente vermelha, estrelada e prepotente. Unidos ao que há de pior neste mundo novo de imposições e descaramentos. Ficaram lá: Zilma Roskoff – a Búlgara, o temível Nove Dedos da barba branca – fingindo-se de Papai Noel para tirar doces das criancinhas. Ficaram também o ressucitado Dragão da Inflação, Joseph Genuine, Zéphidir-Seu, Bollor de Mella, Rose Coronha, Marcus Valery – O Carequinha que não faz xixi na cama, entre outros. Todos tinham o olhar sanguinolento e cruéis. Ali se reuniam em Seminário dos Aloprados, da Máfia das Ambulâncias. Gente das maracutaias gigantes – um bicho pior do que o Papão. Estavam lá também a Jorgina de Bretas, o Juiz ladrão Nicolau Blau Blau e Cia Limitada. Penso no tanto que o país chamado Brézil já perdeu pelo escoadouro criado por esta gente. Penso nas mentiras deslavadas e no dinheiro lavado que essa gente manuseou. O Sr. Paul Maluft enlameou o nome das lavadeiras do São Francisco. Agora tem aqueles que chafurdam mais na lama que os três Porquinhos. Eu queria dormir embalado pela Branca de Neve, pelos sete anõezinhos, pela Rapunzel com seu cabelo cor de mel, com a Gata Borralheira e até mesmo com a Abóbora que um dia virará carruagem. Penso me tornar o Príncipe de todas elas, menos o Charles que iria pegar mal, como pegou aquela  sei lá o quê da Cornualha. Deus me livre de Cornualha, prefiro a  Chechênia e  as Ilhas Barbudas. Paro de repente e começo a sentir um cheiro acre no ar. Devo estar perto de Três Cruces. Está chegando a hora e eu tenho que ir embora. Avisto ao longe uma casinha de adobe com sua chaminé esfumaçante. Apeio de meu pequeno pônei, velho companheiro de tantas jornadas. Pé ante pé arrasto-me por um lado daquele casebre. Paro diante da janela e ouço vozes, tão características que me surpreendo e me embalo naquelas vozes tão inconfundíveis, eram as vozes de Tião Gavião, Dick Vigarista, Bafo de Onça, Capitão Gancho, etc, etc, etc. Desceu-me uma ternura na altura do meu coração, que chegou a se tornar – ternurinha e comecei a assobiar bem baixinho: Senhor Juiz, pare agora! Meus olhos marejaram, tenho que confessar. Na verdade choreiii Largado! De repente abrem a porta e me vejo com uma enorme espingarda  em minha nuca. Resmunguei: Que droga, fui pego de surpresa. Aqueles facínoras foram chegando um a um e me olhando espantados. Perguntei para mim mesmo: E agora, quem poderá me defender? Esqueci-me de avisar ao Chapolim  Colorado que iria a esta missão. Mas de repente, mais que de repente, veio-me uma idéia que hoje posso confessar – Magistral. Empertiguei-me, altivo e sereno, mas com as pernas bambas, disse em alto e bom som: Meus heróis - vim aqui convidá-los para uma tarefa que com certeza irão gostar. Estive eu em Kansa City e me deparei com a pior escória do mundo reunida em Seminário dos Aloprados – são Vampiros, Sanguessugas, Anões do Orçamento, a Turma da Lavanderia, etc e tal. Vim aqui pedir a vocês que combatam estes malandros e punguistas. Incontinenti, ouve-se um brado e uma algazarra tremenda, após o Tião Gavião dizer: Cambada, vamos em frente, que atrás vem gente. Abaixo a canastrice e a embromação, somos os verdadeiros vilões e não podemos admitir concorrência. E partimos em disparada, rumo ao fim desta história, que para mim teve um grato final feliz. E para você?