Técnico Espanhol treina Seleção Brasileira de Canoagem rumo à Olimpíada Rio/2016

Técnico Espanhol treina Seleção Brasileira de Canoagem rumo à Olimpíada Rio/2016



Como todos sabem a Seleção Brasileira de Canoagem, treina em Lagoa Santa, utilizando com exclusividade, sua Lagoa Central, belo cartão postal turístico, paisagístico e histórico.
Quem visita esta cidade, se apaixona. Foi assim desde o descobrimento de Lagoa Santa, fundada pelo tropeiro viajante Felipe Rodrigues, no ano de 1733. Ele chegou por aqui, se estabeleceu e a batizou como “Lagoa Grande”, paralelamente chamada “Lagoa das Congonhas do Sabarabuçu”. O nome atual, adotado a partir de sua emancipação em 1938, remete também a uma experiência pessoal de Felipe Rodrigues, que afirmou ter curado os ferimentos de suas pernas ao banhar-se nas águas da cidade. Foi o primeiro de muitos peregrinos que recorreram às águas milagrosas de Lagoa Santa para curar seus males. Agora, em 2014, essas águas que já foram curativas, recebem mansamente os representantes da canoagem brasileira, rumo à medalhas de Ouro nas Olimpíadas Rio/2016.

Abaixo, entrevista exclusiva com o Treinador Espanhol premiadíssimo Jesús Morlán

JD - O que levou um técnico tão premiado a desembarcar no Brasil assumindo o desafio da conquista de uma primeira medalha Olímpica?
Jesús - Foi mesmo o desafio.
Depois de conseguir o meu atleta na Espanha a quinta medalha olímpica ele não tinha certeza de continuar na canoagem, eu tinha uma oferta do Brasil para vir treinar a equipe e parte de minha família mora na Colômbia, eram muitas as razões para aceitar a oferta.

JD – Como é a trajetória pessoal e profissional de Jesús Morlán?
Jesús - eu entrei na canoagem no ano de 1979 e desde 1988 estou como técnico.
Na verdade minha vida era a de um professor de matemática e biologia. Estou na canoagem quase por casualidade.
Em 1999 consegui como técnico “minha’’ primeira medalha em um mundial júnior, mas nunca achei que iria me dedicar à alta competição, acho que são coisas da vida, do destino.
Nunca cheguei nem a imaginar estar nos jogos mundiais com atletas no pódium, isso no ano 1988 era impensável, mas depois do ano 1999 tudo foi muito rápido na alta competição
JD - Como serão os treinos em Lagoa Santa?
Jesús - Os treinos serão diários, com a mesma estrutura de trabalho de sempre, a única diferença é que em Lagoa Santa, como é um lugar bem tranquilo, haverá mais tempo para descansar e no meu caso, para escrever e revisar todas as informações da equipe.
A ideia era ficar em um lugar ideal para uma concentração até o Rio, sem duvida achamos um lugar maravilhoso, inclusive, melhor do que eu tinha previsto.

JD - O que levou o atleta Isaquias Queiroz a conquistar medalhas no Mundial, que tem o dedo de Jesús Morlán?
Jesús - Treinar, treinar forte, sofrer, começar a escutar e entender os treinos, os tempos, os parciais entre bóias.
Aprender como se ganha uma medalha e porque, e, no caso contrário o mesmo, porque não se ganha.

JD - Que tipo de técnica ou característica pessoal faz um campeão?
Jesús - Um campeão trabalha muito, fala pouco, aceita, assimila e equilibra suas ações.
Um tipo que não escuta e não tem equilíbrio chegara um momento que não dará certo.
É a lei dos campeões.
Alem do talento há mais considerações para se ganhar uma medalha olímpica.

JD - Já se sentiu frustrado alguma vez ao não conseguir um objetivo?
Jesús - Na verdade não, sempre que a gente foi com intenções em um ano pré-olímpico e olímpico a pegar uma medalha, conseguimos.
Foram 5 medalhas olímpicas em 5 finais e 3 medalhas pré-olímpicas em três mundiais pré-olímpicos.
A gente quando quis ser competitivo, chegou e deu certo.
Nunca me aconteceu estar pronto o atleta para ganhar e não ganhar nada, mas sei que o dia chegara.
Deve ser horrível essa situação de não ter ajudado o teu atleta a conseguir o foco, só três conseguem o foco o resto não ganha medalha, o alto nível e assim mesmo.