Custe o Que Custar, a verdade deve prevalecer sempre!

Custe o Que Custar, a verdade deve prevalecer sempre!


O JD – Jornal Diferente vem a público esclarecer a seus leitores e à população Lagoasantense os questionamentos que recebeu sobre nota de esclarecimento em matéria publicada em 08.05.2014 nestas páginas e que tiveram repercussão nacional, pois veiculada no programa humorístico e de entretenimento CQC:

É preciso que fique bem claro que este jornal sempre se pautou pela independência, isenção e apartidarismo e pela divulgação de matérias esclarecedoras que nunca deixaram margem a duvidas, vide estarmos em nossa edição nº 53 e nossa empresa, o Grupo Diferente de Comunicação existir desde 13.03.1990, ou seja, há 24 anos, sem uma mácula sequer.
Aproveitamos para nos desculparmos com nossos leitores e a população em geral que sempre acreditou em nosso trabalho, isenção e lisura, pela divulgação inadvertida dessa nota de esclarecimento junto à matéria publicada na edição nº 52 do JD – Jornal Diferente.
Nessa edição, publicamos matéria sobre a falta de provas nas acusações de recebimento em duplicidade de salário veiculadas no programa humorístico CQC patrocinadas por ex-aliados políticos do atual Prefeito de Lagoa Santa, o que parece não ter agradado àqueles que o acusam.
Em matéria veiculada pela Rede Record, foi dito com total isenção, demonstrando que o bom jornalismo ainda tem representantes dignos. Em resumo, o seguinte:

1 – Por que a Fhemig – Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais depositou o salário de um servidor quando o mesmo havia comunicado por meio de ofício que havia sido eleito e não poderia mais receber como médico daquela instituição?

2 – Por que a Fhemig continuou a depositar o salário do servidor que havia comunicado o seu desligamento da instituição e ainda por cima não havia assinado nenhuma presença, através do ponto eletrônico?

Naquele momento essas deveriam ser as verdadeiras questões a serem publicadas ou questionadas e a FHEMIG deveria ter sido ouvida, e por que não foi?
Portanto, caros leitores, sustentamos integralmente o teor da matéria publicada na pag. 03 do JD – Jornal Diferente edição nº 52, assinalando que forças políticas tentam derrubar um Prefeito eleito pelo povo de forma ilegítima e virulenta através de meias verdades, omitindo os verdadeiros fatos e apresentando somente indícios.

Aqueles que nos combatem e tentam nos prejudicar, dizem que defendemos o Prefeito, mas não transigimos com a verdade, nem com os princípios basilares editoriais de um jornal sério e muito menos abrimos estas páginas Diferentes para injustiças e atrocidades.

O JD – Jornal Diferente e seu proprietário, jornalista Roberty Lauar foram julgados, atacados, vilipendiados covardemente e precipitadamente pelos acusadores do Prefeito e de pequena parcela da população influenciados pela matéria editada e parcial veiculada pelo programa humorístico CQC, mas anunciamos que continuaremos firmes em nosso propósito de bem informar e em nossas convicções e valores morais, ao lado daqueles que nos prestaram solidariedade e acreditaram em nossa postura firme e corajosa. O que fizemos nada mais foi do que divulgar matéria de forma esclarecedora e apartidária. Aqueles que prezam a mentira nos caluniam e atacam, os que são afeitos à verdade continuam nos admirando e nos dão alento.

O que de fato aconteceu? A população precisa saber e resumimos cronologicamente abaixo:

Fato 1 – Houve a divulgação de uma denúncia de recebimento de salário em duplicidade pelo Prefeito de Lagoa Santa no quadro “Proteste já” do humorístico CQC, voltamos a afirmar: sem provas e somente com indícios;

Fato 2 - Durante o dia, horas antes da divulgação pelo programa CQC a matéria foi anunciada na cidade o dia inteiro por carro de som pago pelos patrocinadores da matéria;

Fato 3 – Esqueceram de dizer que essa mesma denúncia já havia sido apresentada oficialmente na Câmara Municipal há 03 meses e não foi adiante;

Fato 4 - Dois dias após a primeira matéria, o até então nosso jornalista Elvis Pereira entrou em contato com a produção do programa CQC que é independente e não é da Band e conversou por telefone com uma de suas produtoras cujo nome é Vanessa e questionou a falta de provas na matéria exibida na TV e ainda segundo ele, foi perguntado, se eles do CQC gostariam de enviar uma nota sobre a falta de provas. Logo em seguida nos apresentou e-mail contendo uma “Nota de Esclarecimento” que foi divulgada no jornal Ed. nº 52.

Fato 5 – Na boa fé e acreditando tratar-se de nota verídica, autorizamos sua publicação junto ao corpo da matéria a qual sustentamos integralmente;

Fato 6 – No dia seguinte durante a distribuição do jornal recebemos telefonema do Sr. Ederson se dizendo um dos produtores do CQC e negando o envio da nota, que segundo ele só poderia ter sido enviada por ele ou por Vanessa. Quando lhe dissemos que havíamos recebido um e-mail de Vanessa Nicolly através do jornalista Elvis Pereira, o Sr. Ederson nos disse que a Vanessa do CQC era Vanessa Albuquerque;

Fato 7 – À noite a Vanessa Albuquerque (do CQC) nos ligou (sábado) e disse que havia recebido sim o telefonema do jornalista Elvis Pereira, que o telefone no e-mail era mesmo o da produção do CQC, mas que não havia enviado nota alguma. Dissemos a ela que iríamos averiguar e se tivéssemos que nos retratar, que nos retrataríamos, “conforme está gravado por ela”;

Fato 8 – Na outra semana divulgaram pelo Facebook que o CQC voltaria a Lagoa Santa para contestar a Nota veiculada pelo JD – Jornal Diferente, o que acabou acontecendo na quinta-feira subseqüente e gerou a celeuma toda. Vieram; não nos procuraram na redação do JD – Jornal Diferente, local onde permanecemos o dia todo, mas “procuraram” o jornalista Elvis Pereira na rua, o que deu margem àquelas cenas que todos viram. O próprio jornalista, questionado se éramos os responsáveis pela nota, disse que não, conforme dito em parte da matéria editada, através do Facebook e conforme está registrado no Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia local no dia do fatídico evento.

Fato 9 – Na segunda feira, dia em que a nova matéria foi ao ar, o Sr. Ederson, produtor do programa nos ligou perguntando se o JD – Jornal Diferente gostaria de emitir nota para ser veiculada no programa daquela noite – Disse a ele que sim e a enviaria logo a seguir, mas a nota não foi publicada e diz o seguinte:

Nota do JD – Jornal Diferente enviada ao Sr. Ederson 05 horas antes da veiculação do programa contendo nova matéria sobre Lagoa Santa:

“Caro Ederson,
Conforme seu contato telefônico hoje, dia 19/05/2014 as 16;30h, solicitando nota do JD – Jornal Diferente, quando afirma que o jornalista Elvis Pereira em entrevista ao programa CQC no dia 15/05/2014 aqui em Lagoa Santa, alegou que não foi o responsável pela matéria que culminou em nota considerada apócrifa pela produtora do CQC da qual você afirma ser o responsável, declaro o seguinte para que fique esclarecido de vez por todas, nossa boa fé e pratica de jornalismo com ética e denodo: Ainda não podemos afirmar que fomos compelidos a erro, nem afirmar neste momento que a nota publicada contém ilações, pois estamos apurando internamente os fatos e ainda, se confirmada a não autenticidade da nota, o que sustentamos até o presente momento, iremos tomar as medidas cabíveis para preservar a imagem, imparcialidade e lisura de nosso trabalho ao longo dos anos aqui em Lagoa Santa e também a isenção do JD – Jornal Diferente. Portanto afirmo que estamos verificando e não iremos transigir com a verdade e acreditamos, até segunda ordem no jornalista que assina a matéria.
Conforme conversamos anteriormente, coloco-me ao inteiro dispor e tudo faremos para que a verdade venha à tona.”

Por Roberty Lauar


Fato 10 – Ainda, afirmamos, para finalizar, que quanto à “Nota de Esclarecimento” questionada publicamos nesta edição, mesmo sem termos sido acionados judicialmente ou obrigados a tal e de livre e espontânea vontade uma “Nota de Desagravo” para que cessem especulações e insídias.

Ainda para esclarecer aos leitores e à população Lagoasantense, dizemos o seguinte:
Fomos à Delegacia de Crimes Cibernéticos em Belo Horizonte para gerar Boletim de Ocorrência quanto ao recebimento de nota falsa, via e-mail ao jornalista Elvis Pereira – fomos informados que a nota não está tipificada como crime e nem seu texto é lesivo aos interesses da verdade.

Além disso, estamos dando entrada no Fórum de Lagoa Santa com solicitação de quebra do sigilo do ID, que gerou o envio da questionada “Nota de Esclarecimento”;
Portanto caros leitores e população Lagoasantense segue abaixo a “Nota de Desagravo”, que não nos obrigaram, nem solicitaram a fazer, mas que fazemos, pois prezamos a verdade, a seriedade e principalmente a ética.

NOTA DE DESAGRAVO AO CQC

Quanto à Nota de esclarecimento publicada na edição nº 52 do JD – Jornal Diferente, comunicamos que: Falhamos ao não confirmarmos  nota enviada através do e-mail do jornalista que não trabalha mais conosco Elvis Pereira e que foi parte integrante da mencionada matéria da pag. 03 da edição nº 52 do JD – Jornal Diferente.

 
Oscar Filho, repórter do programa ao lado de Andrea Moura, que “misteriosamente” ficou sabendo da gravação em Belo Horizonte. Ela e Márcia Regina que aparecem na matéria fazendo uma denúncia contra o prefeito são amigas e ex-aliadas políticas do mesmo.
 
Márcia Regina feliz da vida abraçada ao prefeito e o vice Genesco Neto na época das eleições.

NOTA DO JORNAL DIFERENTE

Apesar de tudo, a nota publicada, segundo informações da Delegacia de Crimes Cibernéticos, não contém informações comprometedoras ou caluniosas, pois afirma, ao contrário do que dizem: Que o CQC não cobrou para vir a Lagoa Santa, que não favoreceu nenhum dos lados, que demonstra profunda admiração por Lagoa Santa e que somente está fazendo o seu trabalho.
Portanto este barulho todo só foi ampliado por interesse dos adversários políticos do prefeito.