Secretaria de Saúde exclarece queixas de servidora Fonoaudióloga da Prefeitura

Secretaria de Saúde exclarece queixas de servidora Fonoaudióloga da Prefeitura


A Secretaria Municipal de Saúde informa que não são verdadeiras as afirmações publicadas na edição nº 40 de 06/09/2013 do Jornal Diferente feitas pela servidora Priscila Fernandes Trindade. Informa ainda, que foram feitas diversas reuniões ao longo dos últimos oito meses, sendo que a última ocorreu na presença do Secretário Municipal de Saúde e também do pai da servidora e que todos os pontos foram esclarecidos e a servidora voltou a atender na Policlínica. A Secretaria esclarece ainda que a servidora estava atendendo provisoriamente na estrutura do CAPS I até que as adequações estruturais necessárias fossem concluídas e que tal necessidade foi previamente comunicada a servidora e que em momento algum a mesma se manifestou formalmente contraria. Durante o período que lá esteve a servidora criou graves problemas de relacionamento com outros servidores (fatos estes comprovados através de diversos documentos emitidos pelos próprios servidores que trabalharam com a mesma).
Diante disso a Secretaria, nesta reunião com a presença do Secretário, visando preservar as partes envolvidas e também única e exclusivamente sanar os problemas de forma pacífica, sem a necessidade de adentrar nos detalhes dos fatos, decidiu em comum acordo, transferir seu atendimento para a Policlínica.
A Secretaria suspeita que as recentes manifestações da servidora na Câmara Municipal e neste importante órgão de imprensa da cidade, se devem ao fato da Secretaria ter suspendido a dobra do contrato de trabalho da mesma, ou seja, a servidora é concursada para uma jornada semanal de 20 horas e durante alguns meses foi autorizada a dobrar sua carga horária para minimizar a demanda reprimida do ano passado. Isso sanado é direito e dever da Administração Pública equacionar seus gastos e voltar a servidora para o seu vínculo de direito, ou seja, a 20 horas semanais pela qual a mesma é concursada, ou seja, a servidora não foi demitida  como tem sido colocado irresponsavelmente por alguns interessados em criar fatos políticos.
A Secretaria de Saúde lamenta os fatos ocorridos na reunião ordinária da Câmara Municipal onde foi tratado esse assunto, tendo em vista que aparentemente pareceu uma ação arquitetada envolvendo agentes políticos contrários a atual administração e informa que já está tomando todas as medidas legais cabíveis no sentido de provar que as acusações feitas, especialmente a de “assédio moral” contra nossa coordenadora do Núcleo de Atenção à Aaúde seja provada como inverdade e isso posto, novas medidas administrativas serão tomadas.
A Secretaria de Saúde informa ainda que vários servidores que trabalham com a servidora Priscila Fernandes Trindade, já se manifestaram documentalmente sobre os fatos e que estão à disposição de se manifestarem em todos os processos que eventualmente sejam movidos.
A secretaria de saúde finaliza, lamentando as constantes ações premeditadas de alguns agentes políticos que visam tentar (sem sucesso felizmente) desarticular e desestabilizar as ações de saúde no município e afirma que o governo municipal continuará respondendo com trabalho e ações em prol dos avanços e na melhoria do sistema de saúde para a população de Lagoa Santa.