Do Bairro Campinho direto para a Europa: Uma história de sucesso

Do Bairro Campinho direto para a Europa: Uma história de sucesso


Por Roberty Lauar
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Paulo Afonso Santos Junior, também conhecido como Paulão, Lagoasantense, 31 anos, casado com Renata Cristina Vitor dos Santos da Vila Maria, pai de Gabriel de 4 anos e Isabela de 10 anos, filho do também Paulão da Escolinha PR Sport e Lazer do Bairro Vila Maria e sobrinho do Ricardo ex-zagueiro do América tem uma história de sucesso e de superação. Garoto acostumado com as peladas nos campinhos de terra do Bairro Campinho, Paulo nem imaginava que um dia pudesse conhecer a Europa e jogar em um grande time de lá. Tudo começou quando aos 15 anos foi levado para treinar no time do coração de seu pai, o Atlético Mineiro, treinou no Pré-Infantil e foi aprovado. Ali começava uma carreira de sucesso mas também de muitas dificuldades. Ia e voltava todo o dia para Belo Horizonte. Aos 17 anos se profissionaliza. Disputou todos os campeonatos das categorias de base até que chegou ao Juniores, ficando bem perto de atletas da mais alta performance. Paulão teve a chance de participar do time profissional e jogar ao lado de craques como Marques, Lincoln, Guilherme, Caçapa, Galo, etc. Até ali com muita dificuldade e a família apoiando, foi levando a vida profissional, pois segundo ele a vida de jogador não é fácil. Em 2005 foi transferido para o América, mas fica pouco tempo, logo depois vai para Brasília jogar no Gama pela Série B do Campeonato Brasileiro. Por questões que só acontecem no futebol, mesmo sem entender o motivo, foi vendido para um time de Portugal chamado Naval 1º de Maio da 2ª Divisão. Sua escalada não parou por ai, jogou em Braga, também em Portugal, depois foi para a França emprestado e jogou por 6 meses no Saint Étienne, logo após foi vendido para o Betis da bela cidade de Sevilha. Após 16 anos jogando futebol, Paulão ainda não pensa em parar, diz que aprendeu bastante com o povo europeu. Diz que aprendeu a ser um cidadão, a respeitar as pessoas e afirma com convição que se tornou um homem de verdade. ”O futebol oferece muitas experiências boas e outras não tão boas”, afirma Paulão. Sua carreira é vitoriosa, pois pode dar conforto aos seus filhos e esposa, assim como pode ajudar sua família. Tudo que ganhou está investido em Lagoa Santa, terra que adora. Quando encerrar sua carreira, voltará para cá. Paulão, que demonstra temperamento tímido diz que aprendeu bastante e vem crescendo a cada dia, dá valor às coisas simples. Adora voltar para Lagoa Santa nas férias e reencontrar parentes e amigos, jogar bola e ficar em casa. Na Europa Paulão é bastante assediado, mas aqui ele é o Paulão do Campinho. Paulão venceu, mas continua humilde e agora se tornou Evangélico e quando está lá fora, longe dos amigos e familiares, procura se aproximar de Deus e se fortalece e, por enquanto, vai jogando contra Messi, Iniesta, etc.