Mega Operação policial prende quadrilha por tráfico de drogas em Lagoa Santa

Mega Operação policial prende quadrilha por tráfico de drogas em Lagoa Santa


Por Fabrícia Araújo
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Atuando no tráfico de drogas em Lagoa Santa há 10 anos, quadrilha é desmantelada nos bairros Santos Dumond, popularmente conhecido como “Pau Comeu” e Lagoinha de Fora. A “Operação Alavanca” coordenada pelos delegados Almir de Carvalho Cesário e Gabriel Ciriaco Fonseca aconteceu no sábado, dia 25/05 com o objetivo de cumprir 21 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão. Durante a operação, 17 pessoas foram presas, entre elas, a família que estava no comando da quadrilha, composta por pai e quatro filhos. Segundo o delegado Fonseca, outros seis mandados de prisão ainda serão cumpridos nos próximos dias.
A prisão dos traficantes foi possível graças à coragem dos moradores da região, que denunciaram a ação. Segundo o delegado Fonseca, “a quadrilha ameaçava moradores de bem, praticava crimes como lavagem de dinheiro, roubos e furtos, além de manter a venda de drogas na região”. Durante a operação foram apreendidos carros de luxo e imóveis mantidos em nome de laranjas. Segundo o delegado Almir Cesário, “todos os bens adquiridos foram comprados à vista. Os traficantes não possuíam nenhum tipo de conta bancária ou qualquer outro tipo de movimentação em seus nomes, para não levantar qualquer suspeita”.
Com o objetivo de manter a ordem na cidade de Lagoa Santa, doutor Almir Cesário afirma que incursões como esta, também foram realizadas em bairros como Vila Fagundes, Vila Maria, Recanto da Lagoa e Aeronautas. Segundo ele, “as ações foram feitas em outros bairros com a mesma formatação. O bairro Santos Dumond ficou por último de forma estratégica, para que conseguíssemos chegar com sucesso aos chefes da quadrilha”, afirma.
Após 8 meses  de investigação, a polícia armou mega operação e desmantelou a quadrilha acusada de tráfico de drogas na região. Segundo o delegado Almir Cesário, “o bairro Santos Dumond era freqüentado por usuários que vinham de todos os cantos da cidade, principalmente de condomínios de luxo”. Para identificar os usuários, a família que comandava o tráfico mantinha informantes que se comunicavam por meio de códigos previamente definidos. “As pessoas vinham em busca de crack e cocaína em pino, principais drogas comercializadas pelos traficantes”.
A “Operação Alavanca” que teve início às 6 horas da manhã e término ás 9 horas da noite, contou com a atuação de 80 policiais de Lagoa Santa e região metropolitana.  Durante a ação, nenhum tiro foi disparado. Os traficantes foram surpreendidos e presos em flagrante, conforme estabelece o artigo 35 da lei número 11343/2006, que penaliza criminosos associados ao tráfico de drogas.
Questionado sobre a reação dos traficantes no momento do flagrante, o delegado Almir Cesário disse que “os mesmos sofreram grande baque, tendo objetos e bens adquiridos no tráfico apreendidos e arrolados”. Afirmou ainda que “os bens confiscados pela polícia serão posteriormente utilizados em prol do combate às drogas e contra o crime organizado. Muitos imóveis podem se tornar casas de recuperação e os carros poderão ser utilizados pela polícia no combate ao crime”. Ao avaliar a atuação dos policiais nesta operação, o delegado Gabriel Ciriaco Fonseca afirmou que “foi a maior operação feita pela Polícia Civil na cidade de Lagoa Santa. Nossa proposta sempre será a de realizar a repressão qualificada. Do ponto de vista da polícia, o trabalho foi muito bem planejado. Após a ação, moradores do bairro Santos Dumond já começaram a sentir os efeitos da área pacificada. No momento do flagrante, os traficantes se mostraram bastante surpresos, pois não acreditavam que o Estado pudesse ser tão contundente em uma única ação. Eles chegaram a subestimar a operação policial e se deram mal”.
O delegado Almir de Carvalho Cesário, policial Claudinei de Paula, delegado Gabriel Ciriaco Fonseca e o policial Ricardo PaivaAinda sobre a ação da polícia, o delegado Almir de Carvalho Cesário disse que “a articulação não foi feita apenas pelos delegados à frente do caso, mas por toda a Polícia Civil, que acompanhou toda a ação em tempo real. Os equipamentos utilizados durante a operação, como helicópteros e armamento foram cedidos pelo Superintendente da instituição. A população cobrou uma ação e obteve a resposta do Estado. Planejamos e aguardamos o momento certo para desencadear a “Operação Alavanca”, por isso ela aconteceu com sucesso”. Ele também elogiou o trabalho de inteligência realizado pela Polícia Civil e a ação policial na “Operação Alavanca”: “a equipe agiu de forma bem organizada e as parcerias com policiais da região que também possibilitaram ótima atuação no momento do flagrante. Cotidianamente também contamos com a Polícia Civil de Vespasiano, que sempre nos apóia quando precisamos”.
Para o delegado Almir Cesário, o principal fator que motiva as pessoas a cometerem crimes, está relacionado ao dinheiro fácil. Segundo ele “os traficantes vislumbram o glamour e acreditam que estão acima do bem e do mal. Eles enxergam a comercialização de drogas como um empreendimento, não como ilicitude ou reprovação da sociedade. Mas existem muitos males e conseqüências desastrosas, entre eles - Os usuários que colocam em risco a vida de seus familiares por causa de dívidas com o tráfico”.
Sobre os índices de crimes na cidade, doutor Gabriel Ciriaco Fonseca afirmou que “Lagoa Santa tem um dos índices de criminalidade mais baixos em comparação com as cidades que compõem a região metropolitana e isso aumenta a nossa responsabilidade em mantê-la assim. Além disso, a Polícia Civil vai sempre atuar com a mesma força e disposição em ações semelhantes e até maiores, ocorridas em qualquer região da cidade. O nosso objetivo será sempre preservar em primeiro lugar, a integridade do cidadão de bem e prender os marginais que intimidam a população”.