Crianças com necessidades especiais ficam sem transporte

Crianças com necessidades especiais ficam sem transporte


Por Roberty Lauar
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.


O Filho da Sra. Luciana Alves dos Santos (moradora do Palmital III) que tem “Esclerose Tuberosa”, doença gravíssima, está sendo levado para a APAE em carro particular do Vereador Robertinho, assim como outro garoto da região com necessidades especiais.
Pudemos perceber, em visita ao local, que na mesma região existem outros garotos com necessidades especiais que não estão indo para a APAE por falta do veículo da Prefeitura. A alegação é a de que a ponte do B. Jardim Imperial está interditada. Solicitamos à Secretária de Educação que nos respondesse as perguntas abaixo:
O que impede o ônibus que buscava essas crianças passar por outro caminho (trajeto)? Por que tantas crianças devem esperar que a ponte seja consertada?
Daniela Alves: A situação do filho da Sra. Luciana é atípica. A questão, nesse caso, é o trajeto, já que o carro teria que dar uma volta muito grande, prejudicando inclusive os outros alunos que ficariam na APAE muito pouco tempo (devido ao atraso na chegada). Mas, estamos estudando uma alternativa para atender a criança.
Algumas mães estão impedidas de trabalhar, pois não têm como levar seus filhos para a APAE e acabam ficando em casa pois estas crianças precisam de acompanhamento diuturno?
Daniela Alves: Caso a mãe de algum aluno esteja se sentindo prejudicada, deve procurar a Secretaria Municipal de Educação (Semed). A Secretaria precisa tomar conhecimentos das situações, já que muitos não procuram para fazer a reivindicação. É importante procurar a Semed, para que a situação seja reavaliada e pensada a melhor solução para o problema. O telefone da Semed é 3688-1372.
Como reparar o transtorno pela falta de solução rápida e atenciosa a essas famílias, tanto as com filhos com necessidades especiais e as outras também?
Daniela Alves: Em relação às crianças moradoras do bairro Residencial Resende, neste caso específico, não temos como atender no momento por causa da rota (que atrasaria muito a chegada de todas as crianças). Temos um microônibus parado por falta de peça (que já está sendo providenciada). Com isso, conseguiremos reorganizar uma nova rota e, em breve, oferecer melhores condições para os estudantes da APAE que estão sem atendimento. Aproveitamos para ressaltar que segundo informações obtidas pelos motoristas e monitoras da Apae, 75 crianças estão sendo atendidas pelo transporte escolar.