TERRA DE LUND, TERRA DE OBSTINADOS (Parte V)

TERRA DE LUND, TERRA DE OBSTINADOS (Parte V)


Por Roberty Lauar
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Caros leitores – Nas últimas quatro edições do JD – Jornal Diferente contamos uma história incrível, intitulada “Terra de Lund – Terra de Gigantes”.  Registramos o que nos últimos quatro anos e nove meses, se configurou como uma grande vitória para a preservação de tão belo patrimônio da humanidade situado nesta região.  Desde nossa primeira ida à Brasília em 20.12.2007 até o próximo dia 21.09.2012, quando será inaugurado o Receptivo Turístico/Museu ao lado da Gruta da Lapinha, muitas etapas foram vencidas e inúmeras ações se tornaram decisivas para o repatriamento de parte do acervo do Dr. Lund para solo Lagoasantense. Tentamos mostrar nesta matéria intitulada “Terra de Lund – Terra de Gigantes”, porque Lagoa Santa deve ser preservada, protegida e transformada em pólo turístico internacional. Até cinco anos atrás, os governos locais não haviam conseguido preservar, guardar e proteger esse patrimônio natural, arqueológico e paleontológico, cumprindo com suas obrigações de depositários fiéis de um patrimônio da humanidade tão belo. O que se preservou nesta cidade está ainda hoje em um Museu Particular ao lado da Gruta da Lapinha, denominado “Museu Arqueológico da Lapinha”, o famoso Castelinho. Antes da sua inauguração, muitas de nossas belezas naturais, fósseis e espeleotemas foram depredadas e outras tantas surrupiadas. O Sr. Mihály, fundador do Museu da Lapinha (O Castelinho) e sua filha Érica que o sucedeu foram os únicos que conseguiram preservar e manter em Lagoa Santa o pouco que nos restou e que conta a história de nossos antepassados. Todas as peças fósseis aqui achadas, antes e depois da inauguração do Castelinho, foram levadas para Museus, Universidades e até para outros países. 
Pois bem, antes de voltarmos a falar sobre os acontecimentos nestes últimos cinco anos, precisamos deixar mais alguns registros históricos para as gerações atuais e futuras sobre a importância para a humanidade deste pedaço de terra, chamado “Região de Lagoa Santa”, também conhecido como “Rota Lund” ou “Circuito das Grutas”.
O homem migrou para esta terra, vindo da África originariamente, fugia das intempéries climáticas e nas Américas, aportou primeiramente, aqui pelo lado Sul. Aqui chegando se fez representar por Luzia. Encontrou aqui, animais hoje extintos, chamados da Mega Fauna (Lembram-se do desenho animado “Era do Gelo”? Todos aqueles personagens viveram aqui.). O Povo de Luzia foi dizimado por outra leva de migrantes, que originaram os índios atuais. Deixaram seus corpos aqui enterrados, que fossilizados por milhares de anos, nos permite contar parte da história da humanidade. Ficaram registros como bem disse nosso amigo Eugênio Goulart, como bibliotecas de pedra, que contam nossa história e origem. Por outro lado esses animais e esses povos quando aqui chegaram já encontraram “Monumentos Naturais”, como grutas, cavernas, rios, etc. etc. Um desses monumentos é a Gruta da Lapinha que vem sendo esculpida pela natureza há mais de 600 milhões de anos, formando belezas em forma de estalactites, estalagmites etc e tal. A natureza também foi pródiga com a região, deixando inúmeras outras grutas, lagoas cársticas, paredões rochosos, solo calcário, o cerrado, o Velhas, a cordilheira denominada Serra do Espinhaço, etc. A Gruta de Maquiné, a Serra do Cipó, entre outros equipamentos fornecidos por Deus gratuitamente a esta região, ainda conseguem atrair inúmeros turistas e suas localidades vivem muito bem do dinheiro que eles deixam  lá. Lamentavelmente, Lagoa Santa nunca se beneficiou dessa tendência.  Após a inauguração do Receptivo/Museu ao lado da Gruta da Lapinha marcado para os dias 21/22 de Setembro/2012 e com a chegada de parte do acervo de Dr. Lund, repatriado da Dinamarca a história de Lagoa Santa vai mudar radicalmente.
Entre os que se destacaram nesta conquista atual, não podemos deixar de citar o Prefeito Rogério Avelar, que percebendo estar diante de um momento único para a cidade, incentivou nossa busca pelos recursos financeiros para a construção desse Receptivo/Museu que agora será inaugurado e que receberá de volta, parte do acervo com a digital do nosso querido Dr. Lund. Foi uma bela história que teve um final feliz – Primeiro, incentivamos a Ministra Marta Suplicy, que incentivou o Embaixador da Dinamarca, que incentivou o Sr. Jens Olesen, que incentivou o Governo dinamarquês, que incentivou o Governo de Minas gerais, que incentivou o IEF, o Professor Cartelle, etc. Além disso, Rogério Avelar exerceu decisiva influência junto ao Governo do Estado para incluir nas dependências do Parque Estadual do Sumidouro a construção do Receptivo/Museu que agora receberá esse rico acervo, repatriado da Dinamarca. Muitos ainda não se deram conta da importância deste momento. O Príncipe da Dinamarca em pessoa tráz de volta com toda pompa e cerimônia inúmeras peças que um dia foram escavadas por Lund em Lagoa Santa.  Garanto que começaremos, ainda que tardiamente, a receber turistas internacionais para apreciarem fósseis de animais gigantes (Como se fosse uma espécie de Jurássic Park) e a visitarem a região, aqui deixando divisas importantes para a arrecadação do município e grande incentivo ao comércio local.
Agora que se encerra a primeira etapa desta recente conquista, é preciso trabalhar urgentemente para o início de uma nova fase, começando pela implantação do: “Circuito Interno Turístico”, atraindo mais e mais turistas. É preciso também construir o Mercado Municipal, para abrigar pequenos agricultores locais, artesãos, doceiras e a gastronomia mineira. Também se faz urgente a construção do Teatro Municipal, fortalecendo a cultura popular com seus festejos religiosos, o sincretismo e as festas locais e criar espaços culturais, vinculados a nossa história e Pré-história.  Lagoa Santa está predestinada a viver do Turismo de Negócios e de Lazer. Seria a redenção desta terra. Tornar Lagoa Santa integrante dos roteiros turísticos mais importantes de Minas Gerais e do Brasil, fomentando a economia local e criando inúmeros postos de trabalho com repercussão na “Área Social”. O primeiro passo já foi dado, resta agora a visão futurista dos que irão governar esta cidade daqui para frente para transformá-la definitivamente em pólo turístico internacional.
Para finalizar, afirmamos que o Sr. Jens Olesen se tornou o grande artífice para esta conquista e merece nosso respeito e gratidão, pois foi o responsável pela aproximação entre o governo da Dinamarca e o governo de Minas Gerais e Lagoa Santa, conseguindo também que o governo Dinamarquês permitisse o repatriamento de parte do acervo do Dr. Lund até então em seu poder. Trabalhou incansavelmente junto do Prefeito Rogério Avelar para que o governo de Minas Gerais construísse o Receptivo/Museu ao lado da Gruta da Lapinha. O Sr. Jens já visitou Lagoa Santa inúmeras vezes nestes cinco anos e viabilizou o que muitos que aqui nasceram e administraram essa cidade não conseguiram. Conseguiu junto ao governo brasileiro a produção de um selo com a imagem do Dr. Lund e da gruta da Lapinha. Conseguiu também o recurso financeiro para a tradução para o português de dois livros até então só editado em dinamarquês (Brandt e Lund). Doou uma escultura à Lagoa Santa, confeccionada por um artista de renome internacional, em mármore de Carrara que se encontra no Túmulo do Lund, tendo ainda se responsabilizado por seu traslado da Itália até aqui. Por último, incentivou o Grande escultor Lagoasantense Celso Vieira a esculpir Dr. Lund e que doado à Dinamarca ficará exposta num dos mais importantes museus da Europa. São histórias assim que nos empolgam e nos fazem acreditar que nem tudo está perdido. A cidade e toda sua população ganhará direta e indiretamente com o que foi conquistado aqui nestes últimos 5 anos. (Continua...)