TERRA DE LUND, TERRA DE OBSTINADOS

TERRA DE LUND, TERRA DE OBSTINADOS



Nesta e nas próximas edições do JD – Jornal Diferente, você irá conhecer a biografia e trajetória do maior personagem atual de nossa rica história, cujo nome é “Jens Olesen”. Você vai saber como e porque este outro gigante oriundo da Dinamarca apareceu aqui por essas bandas. Mas antes ainda, é preciso falar sobre nossas origens seculares, errantes e obstinadas.
No Pleistoceno: Aqui por estas plagas, em tempos imemoriais andaram animais imensos (Preguiças, Tigres, Tatus, Mastodontes etc. etc.), conhecidos como da Mega Fauna e extintos por volta do fim do “Pleistoceno”, período também conhecido como “fim da era do gelo”. Parte desta história, todos conhecem, pois retratada brilhantemente no desenho animado “A Era do Gelo”. Naquele tempo, ou seja, por volta de 12 mil anos, aqui, ao lado de animais gigantescos, vivia a “Raça de Lagoa Santa”, cujo representante maior foi a nossa querida e ilustre “Luzia” que já prenunciava a estirpe de mulheres guerreiras, corajosas e arrimas que habitaram e ainda habitam estas terras. As lágrimas de emoção que vertem de meus olhos neste momento remetem-me, como narrador desta nova parte da história, vislumbrar os caminhos que ainda serão percorridos e que se transformarão no elo entre o passado majestoso e o futuro exuberante desta cidade. Habitaram estas terras em tempos passados e presente, figuras precursoras de uma bela história – história esta que recebemos como herança valiosa, inestimável e transformadora e que deve ser utilizada em benefício de toda nossa gente. Comerciantes, artesãos, doceiras, gente simples e empreendedores.
Antes ainda, é necessário dizer que: Após a ocupação destas terras por nossos Tataravós negroides, “Os primeiros Americanos”, contemporâneos de Preguiças-Gigantes, felinos como Tigre dentes-de sabre e imensas outras bestas feras, ocuparam entre 8 mil e 7 mil anos e, talvez tenham sido os responsáveis pela extinção do “Povo de Luzia” e sua saga pioneira, povos com feições “Mongolóides”, ou seja, com traços indígenas que também deixaram vestígios como pinturas rupestres, inúmeros sítios arqueológicos com vasos cerâmicos, utensílios e armas rudimentares, mas eficientes, que viveram tranqüilos até a chegada dos colonizadores portugueses em 1500.
Após um pequeno hiato no tempo aportaram nestas terras por volta de 1675, Bandeirantes como Fernão Dias que partiram em direção ao interior do país em busca de esmeraldas, ouro e pedras preciosas e também com a missão de integrar o centro do país à Coroa Portuguesa. Segundo relato do Dr. Paulo de Mendonça em seu livro “Lagoa Santa, sua história e sua gente” “A história da região está ligada à dos primeiros desbravadores, à de Fernão Dias Paes Leme, sobretudo, que aqui esteve com sua bandeira, criando seu primeiro povoado. Estacionado com sua bandeira na região do Sumidouro por quatro longos anos. Ali o bandeirante fincou as raízes de nossa formação, deixando lições de bravura que vieram a servir de exemplo para nosso povo. Semeando o progresso pelo sertão, a bandeira de Fernão Dias fincou mastro próximo ao local que os indígenas chamavam Anhanhancanhuva (água que some)”, na região do Rio das Velhas e junto trouxe consigo seu filho Garcia Rodrigues Paes e seu genro Manuel de Borba Gato que aqui também deixaram marcas profundas e uma história empolgante.
Em 1733, aporta também aqui, nesta terra de gigantes, um tropeiro cujo nome era Felipe Rodrigues e está registrado que ao se banhar nas águas da lagoa central, cura feridas espalhadas por seu corpo em curto espaço de tempo. Aqui finca raízes, sendo seu pouso um pequeno rancho junto ao sangradouro da lagoa. Por causa disto, acorrem para cá, cientistas atestando o poder curativo destas águas que passa a ser exportada para Portugal e acaba atraindo inúmeras pessoas dando início ao pequeno arraial cujo primeiro nome foi “Lagoa Grande”.  
Jens Olesen
Em 1835 uma outra parte desta bela história teve como protagonista, Dr. Lund, um dinamarquês intrépido, que assombrou o Velho Continente e espantou velhas crenças quanto à origem da humanidade. Esta terra como podemos observar; está fadada a abrigar corações valentes e pujantes. A saga da “Raça de Lagoa Santa” com sua Luzia à frente está em nossos corações, norteando o próximo caminho a ser percorrido. Dr. Lund, derruba conceitos da Igreja Católica sobre Adão e Eva, combate o Cuvierismo com seu catastrofismo amorfo e ultrapassado e inspira Charles Darwin na sua teoria sobre a “Evolução das Espécies”. Tarefa hercúlea, designada e assumida por poucos predestinados, obstinados e incansáveis. Atributos estes que sobram neste novo personagem que iremos descrever nas próximas edições do seu JD. Ele tem o mesmo país de origem do Dr. Lund, a Dinamarca e o mesmo espírito irrequieto, empreendedor e desbravador de seus antecessores em terras de Luzia e Lund. Ele é Jens Olesen.
Fernão Dias e seu filho Garcia Rodrigues Paes
(Continua na próxima edição)