Coronel Intendente João Luis Fernandes da Silva

Coronel Intendente João Luis Fernandes da Silva


Nascido em 1° de maio de 1960, natural do RJ, casado com a Sra. Cida, tem duas filhas Camila e Tainá. Entrou para a vida militar aos 16 anos, na Escola Preparatória de Cadetes do Ar, Barbacena, formou aspirante em 1984 na Academia da Força Aérea, em Pirassununga SP. Seguiu para Base Aérea de Florianópolis onde serviu até o ano de 1990, seguindo para o PAMA LS onde ficou até 1996, quando seguiu para a Escola de Especialistas de Aeronáutica em Guaratinguetá, SP, onde serviu até 2002, seguindo para a Base Aérea de Anápolis, GO, permanecendo até 2005, passando para Unidades Logísticas do Rio de Janeiro, sendo transferido para o PAMA LS em Dezembro de 2009.
O Coronel Fernandes morou em Lagoa Santa, no primeiro período de 1990 a 1996 e recentemente de dezembro de 2009 até os dias atuais.
JD – Por que escolheu a carreira militar?
Coronel Fernandes: Escolhi a carreira militar por ideal e nacionalismo e digo que o perfil desejado para ser militar é ter disciplina, dedicação, vontade, ser pro ativo, ter orgulho do país, estudar muito e ter outras qualidades que possam forjar um cidadão.
JD – A família de um militar é obrigada a fazer concessões?
Coronel Fernandes: A família de um militar precisa fazer concessões que mais tarde se tornarão os motivos e provas de afetividade e sentimentos entre todos os seus componentes.
JD – Os filhos de militares sofrem influência para seguir a mesma carreira?
Coronel Fernandes: Como em todas as profissões, os filhos se espelham no sucesso dos pais, no caso do militar não é diferente, sendo exponênciado em razão da situação de morar em Vilas Residenciais.
JD – O que é necessário para ser um bom militar?
Coronel Fernandes: Para se tornar um bom militar é preciso adequação a exclusividade que a carreira requer, atendimento as normas e regras da caserna.
JD – Como se sentiu ao receber essa homenagem?
Coronel Fernandes: Mais precioso que o título recebido é o que ele representa e está no nosso coração, amar e ser reconhecido como colaborador desta cidade e pelos cidadãos. A homenagem vem concretizar o sonho de todos que amam esta cidade e que por motivos diferentes não nasceram aqui, mas é como diz o ditado popular: “Mãe é quem cria”. Desde a 1ª vez que eu e minha família aqui chegamos fomos muito bem recepcionados, formamos diversos círculos de amigos que permanecem fortes.
JD – Participa de algum projeto social representando o PAMALS?
Coronel Fernandes: Abraçamos alguns projetos em conjunto com o PAMA, que nos instiga a colaborar ativamente na vida da cidade. Podemos ajudar na prevenção e no tratamento de dependentes químicos, principalmente no combate ao crack que está destruindo famílias e pessoas desta cidade. Auxiliamos também na capacitação do jovem com o potencial do PAMALS. Procuramos promover a melhora do ensino público, com o envolvimento dos professores e da sociedade.
O Coronel encerra sua entrevista dizendo: O futuro está nas mãos dos jovens e todas as gerações que formam a sociedade. Não se pode esperar somente pela ação do poder público. Todos temos que nos comprometer com a melhora da qualidade de vida, arregaçar as mangas e não ficar escondido, se lamentando ou reclamando. Se todos se envolverem, não haverá traficantes, nem pessoas que destruam o patrimônio, ou que joguem lixo nas ruas, ou que cometam pequenos delitos. Se todos se envolverem, sairemos fortalecidos e melhores.