A Escassez de mão de obra na construção civil estimula o aumento do número de máquinas nos canteiros de obras

A Escassez de mão de obra na construção civil estimula o aumento do número de máquinas nos canteiros de obras


A mão de obra está escassa, desinteressada e mal qualificada. A falta de mão de obra na Construção Civil tem obrigado o setor a encontrar soluções alternativas para lidar com a alta demanda de trabalho.
De acordo com matéria publicada no site estadao.com.br esta situação tem sido mais um fator a estimular o aumento do nível de industrialização no processo de trabalho.

Pedreiros, armadores, gesseiros, carpinteiros e pintores são os 5 tipos de trabalhadores que têm tirado o sono dos empreiteiros pela escassez verificada neste ano.
“O pedreiro não ensina mais a profissão ao filho. Não há renovação de estoque, e o profissional disponível passou a ser muito disputado”, é o que dizem empresários do setor. De acordo com eles: “Antes, a mão de obra para construção era farta e informal. Tornou-se escassa e cara“.

O efeito indireto de tudo isso, conforme constata a matéria, é o aumento do maquinário nas construções.

Agora, mais do que nunca, é momento de oferecer melhores condições aos trabalhadores do setor, conquistando-os não só com melhores salários, como também com equipamentos de construção e ferramentas de construção civil que melhor se adaptem às suas necessidades e ofereçam maior praticidade e segurança.